CARTA PARA ELA

De uma maneira que você ainda não pode imaginar as pessoas que ansiosamente aguardam a sua chegada, já não cabem em si de contentes, por que a ajudarão na grandiosa tarefa que será a construção da história da sua vida.



De uma maneira que você ainda não pode compreender, sua existência submerge acolhida no mais puro e transcendente amor, que emociona, que ampara. E você que ainda não conhece as dores do mundo, já experimenta dele as muitas faces do amor, que permanecerão ao seu lado até mesmo quando este mundo lhe virar as costas. Mas não se assuste minha pequena, viver é também isso, é encontrar-se no topo da montanha russa e encarar ainda que arremetida pelo medo, a instabilidade da descida. E caso faça você sentir-se melhor, preocupe-se, mas estaremos aqui para acompanhá-la por todo e qualquer caminho.  

De uma maneira que ainda não entendemos completamente, talvez, na ânsia de existir, você tenta se comunicar, e comunica-se. Sua inquietude revela suas escolhas, sua brandura as escolhas acertadas de sua mãe, de quem espero você herde o sorriso, e aí quem sabe assim como seu pai, você sorria também com os olhos.

De uma maneira que ainda não conseguimos presumir em sua totalidade, você mudará nossas vidas para sempre. E sutilmente você se insinuará fazendo seu os gostos de sua mãe, que a esta altura já não são mais os mesmos. É você, nossa doce e pequena travessa. Assim você será também as olheiras nos olhos de sua mãe, o amarrotado nas roupas do papai. Será deles – de seus pais, o impulso, o reflexo, a velocidade, o desprendimento. De seus avós você será a oração, o agradecimento, a continuação da vida.

E de uma maneira que você jamais conseguirá explicar, loucamente você se apaixonará e ficará desapontada, virão outros dias, outras noites, novas paixões e decepções, até que chegará o dia em que você sentirá o amor verdadeiro. Neste dia entenderá que as paixões e decepções foram necessárias, sem elas você não reconheceria o brilho do amor eterno, que ao contrário das paixões, mantem-se fiel a um único sabor.

E de uma maneira que ainda sequer sonhamos, nos divertiremos, você será minha inspiração, e a exemplo de como é com seus pais, será você minha força e minha fraqueza. E porque será este o meu papel, faremos muito barulho juntas e te contarei as melhores histórias, aquelas que nossos pais não nos contam. Mas também contarei a você o quanto eles são incríveis, sim, seus pais, os melhores amigos que alguém poderia ter e você desejará encontrar amigos assim. Mas haverá dias, minha pequena, que você não será feliz, e neste dia você chorará, talvez de tristeza, talvez de frustração, mas neste dia, não esqueça, procure pelo papai, procure pela mamãe. Procure também por mim, e se não me encontrar, é porque precisei partir – porque este dia também chegará.

E de uma maneira que você nunca irá saber, quando você chegar, já terá modificado nossas vidas para sempre e seguirá modificando. Quando você chegar, tudo será diferente, depois de um exaustivo dia de trabalho, uma recompensa aguardará os papais de primeira viagem – o aconchego do seu abraço apertado, onde todas as preocupações se dissolverão. E então, depois de uma noite com o coração apertado porque você chorava incansavelmente, sim papais, crianças choram muito, o silêncio que seguirá ao seu sono tranquilo, será um misto de alívio e vazio.

E de uma maneira que ainda não consigo expressar, o amor que já lhe devotamos nos faz crer que você sempre esteve aqui. Você ainda não nasceu, mas já é possível vê-la nos olhos de sua mãe. E já nos provoca e nos acolhe como se no calor de seus braços, Deus nos abraçasse também. E antes de nascer, você, com toda a delicadeza já colore nosso mundo e nos ensina que viver é também isso, é mergulhar na escuridão do desconhecido e ressurgir em um ato de FÉ, guiados pelos seus destemidos passos de criança.

Shirley Basílio | Nenhum Comentário

0 Comentários:

Postar um comentário