SEJA LOUCO, SONHE!


Temos pressa de chegar. Ansiamos por estar. Somos exigentes conosco. As circunstâncias em que cruzamos o caminho pouco importam, não temos tempo para reparar a estrada, pois o outro que também a cruza pode chegar primeiro.

E nessa urgência cotidiana que nos envolve vamos aos poucos nos perdendo, nos desconhecendo, já não sabemos mais quem somos e tampouco conhecemos a verdade existencial que nos consome e nos move. A vida como que a seguir um roteiro nos conduz, já não somos mais condutores, guiados pelas contingências daquilo que chamamos de destino, reconhecemos do caminho apenas uma verdade – precisamos chegar.

E os princípios que em tempos remotos regiam os modos de nossos pais, nos encontram hoje receosos, incrédulos de que um dia palavras como amor, respeito e honra, tenham em algum tempo representado a face em que no outro eu me reconheço. Mais afeitos a reconhecer e apontar as fraquezas daquele que ao meu lado caminha, enaltecemos ainda mais os defeitos e reprimimos o ensejo de consagrar as virtudes que naquele se destaca.

Ávidos por sermos proeminentes nos tornamos opressores, vaidosos e desinteressados dos outros, caricaturas esculpidas a partir da banalização de dilemas morais, da indiferença diante de regras que regulam a vida em sociedade visando o bem comum.

E então, do desejo de destruir aquilo que não se pode transformar surgem às barbáries, da necessidade de isolar o que nos incomoda marginalizamos aqueles que são diferentes de nós. E por medo de sermos taxados de loucos deixamos de sonhar.

[Para aqueles que mesmo em tempos difíceis jamais deixaram de acreditar que as asperezas do cotidiano são pequenas batalhas que nos preparam para o mais alto degrau das nossas realizações.]

Não apenas pratique sua arte, mas force seu caminho em seus segredos, pois isso e o conhecimento podem elevar o homem ao Divino. - [Ludwig van Beethoven]

Shirley Basílio | 4 commentários

4 Comentários:

Mais uma vez você brilhou, Jovem Padawan!

Postar um comentário